segunda-feira, 16 de Julho de 2012

Educar Para Quê?

Para Paulo Freire, o patrono da educação brasileira, educar é construir, é libertar o homem do determinismo,  é estimular o raciocínio, é aprimorar o senso crítico, as faculdades intelectuais, físicas e morais. Educar é produzir um homem feliz e sábio.

A palavra educar deriva do latim educare, ex-ducere. Ducere tem o significado de um movimento com um sentido. As palavras "dux" e "duce" (o titulo de Mussolini!) derivam dessa raiz, e outras palavras como pro-duzir, con-duzir,  re-duzir, in-duzir, tra-duzir ou mesmo se-duzir estão formadas a partir do vocabulo ducereEx-ducere significará, na sua etimologia, guiar alguém com um sentido (ducere), partindo de dentro dessa pessoa para o que existe fora dela (ex). A palavra de origem grega pedagogo, derivada de  paidós (criança) e agodé (condução), terá um significado muito próximo deste.

Não pode, pois, haver ducere sem um sentido, da mesma forma que não pode haver educação sem objetivos e sem um guia que nos conduza para esses objetivos. A forma e o método de o fazer são importantes, mas o professor e o sentido são os elementos primordiais da educação. Os espartanos educavam para a guerra, os atenienses para a democracia, os romanos para a expansão e para o comércio, os judeus educavam para a entrada no reino de Deus. No Portugal medieval educava-se o povo para o trabalho, para a obediência à Igreja e aos senhores.

A revolução francesa foi a pedrada no charco que acabou com o antigo regime e nos trouxe novos sentidos para a vida e para a educação: a liberdade e a igualdade. A crise dos anos 30 do século passado recuperou (em Portugal mas não só)  valores tradicionais para a educação (Deus, Pátria e Família). Mas já, nessa altura, fervilhavam, entre nós na clandestinidade, as ideias de Marx e os ideais socialistas de uma nova esperança que  idolatrávamos nos ícones de "Lenine" ou de "Che Guevara".  O pós guerra, que só chegou a Portugal atrasado 30 anos (em 1974!), valorizou a democracia dos vencedores e o progresso que se lhe seguiu, progresso esse que minava e começava a destruir os ideais socialistas.  Foi neste período de happy motoring, como o definiu Kunstler, que se ergueram as catedrais da distribuição moderna, e se consolidou a globalização. E, como consequência do progresso cientifico e das novas tecnologias de comunicar,  o homem acreditou estar possuído de um poder sem limites e autoelevou-se à categoria de quase-deus. Elegeu-se, neste período, o sucesso e o consumismo como meta a atingir, e esse foi, em grande medida, o sentido da educação.

A crise que se manifestou em 2008, mas que já se adivinhava desde o inicio do século, veio alertar-nos de que o festim podia estar a terminar. Os incrédulos acharam que eram avisos de Cassandra e que o progresso estava ali ao virar da esquina como sempre acontecera. Mas a persistência da crise começou a corroer os fundamentos da globalização, a depressão instala-se na economia e nas mentes das pessoas, e já se começou a interiorizar a ideia da necessidade de "um novo paradigma" para significar que o mundo, tal como hoje o conhecemos, vai mudar. Mas ninguém sabe como será o novo, ou, se se alguém sabe, não o quer dizer!

Perante as incertezas e perigos do futuro já nos questionamos sobre como devemos educar as nossas crianças que valores lhes devemos incutir, qual o sentido e os lemas e as bandeiras que lhes queremos mostrar. Deus está morto ou quase, a pátria está reduzida à seleção nacional, e a família dissolve-se nas revistas do coração e nas telenovelas do horário nobre. Educar para o sucesso já não faz sentido quando já nem sequer se tem o emprego onde ele se afirma. Educar para a obediência contraria os princípios da constituição, e educar para a sobrevivência poderia seria visto como tarefa de formar marginais ou párias.

Enfrentamos esta realidade brutal: não temos valores sólidos para cimentar o edifício do nosso sistema educativo. Na Fundação Vox Populi e na comunidade Nepso estamos a trabalhar para encontrar um sentido para a vida e para a Educação.

Sem comentários:

Enviar um comentário