segunda-feira, 31 de agosto de 2015

As Verdades


Um texto de 2012 reeditado

O cristianismo, que moldou a Civilização Ocidental, é um compromisso entre a mitologia greco-romana e o judaísmo. É como se fosse a Odisseia enxertada na Bíblia, a tentativa de conciliar a forma clara - base do pensamento grego e o conteúdo moralista - base do pensamento judaico. Para mim é claro que um judeu nunca poderia ter escrito a Odisseia nem inventado a geometria. O tempo judeu não caberia nunca nos dez anos que Ulisses viajou de Tróia para Ítaca. E, avessos às formas e às imagens, os judeus nunca foram capazes de retratar o deus de Abraão e de Moisés. Jeová não tem rosto. Ele é o oposto da forma elegante de Afrodite ou da força insensual de Atena.

Costuma-se dizer: para cada um sua verdade. O que é a Verdade e onde está a Verdade?  Todos buscamos e todos desejamos encontrá-la, mas primeiro temos que defini-la. Pesquisando a etimologia da palavra talvez encontremos o fio da meada para conduzir a nossa reflexão. Cada civilização parece ter um conceito diferente de verdade. Vamos olhar para alguns deles, e talvez encontremos algumas respostas para as nossas dúvidas.

Na Grécia antiga, a verdade é aletheia ("a" indica negação e "léthe" significa esquecimento), que é aquilo que se mostra e se revela, na sua forma, aos nossos olhos. Já para os judeus a verdade é emunah  (palavra de onde deriva amen). É a virtude, o que há de vir e que há de cumprir-se. Para os romanos a verdade é veritas que é um conceito quase jurídico. Verdade é o que relata ou traduz fielmente o que aconteceu. Na fórmula "juro dizer a verdade e só a verdade", é o conceito veritas que estamos a utilizar.

Temos, pois, uma verdade para os Gregos (aletheia), as coisas como são e sempre serão, tais como se manifestam no momento presente ao nosso espírito; uma verdade para os Romanos (veritas) que diz respeito aos fatos que foram ocorridos e relatados; e uma verdade para os Hebreus (emunah) relativa às coisas que serão (e que foram prometidas). Em síntese, para os gregos a Verdade vê-se; para os romanos diz-se; para os judeus crê-se.

Mas para nós, que transportamos a herança genética e cultural daqueles povos,  qual é a verdade? A verdade geométrica, a verdade jurídica ou a verdade moral ? Quem são os guias que orientam a nossa vida, os oráculos gregos, os profetas bíblicos, ou as sibilas romanas?

No mundo de símbolos e de sinais que, massivamente, nos envolvem a verdade aparece camuflada. Qual é, por exemplo, a Verdade que está por detrás de um anúncio da Coca-Cola, uma das mensagens mais insinuantes dos nossos dias? Ou qual a verdade por detrás dos discursos dos políticos, dos governantes, dos economistas?  E qual  verdade que os meios de comunicação nos mostram e nos apontam?

Temos, antes de mais, de saber descodificar os sinais, que se tornaram  ilegíveis na complexidade das novas formas de comunicar. Temos de recorrer às virtudes da semiótica, da hermenêutica e da interpretação que estão na base de novos oráculos, e de novas profecias. A verdade possível foi, no passado, reservada aos iluminados, aos escolhidos e às elites. Julgámos que as novas literacias viriam, finalmente, revelá-la. Mas ela parece teimar em camuflar-se.

A ciência foi a nossa esperança de vulgarizar a verdade, mas à medida que exploramos o átomo encontramos novas revelações, e as certezas deixam de o ser para serem incertezas. Ficamos confrontados com os limites do célebre princípio de Heisenberg que diz mais ou menos isto: a busca da realidade mais ínfima torna-se incerta pois a observação interfere com a coisa observada, e altera a própria realidade.

Estamos pois condenados a deambular neste labirinto, onde a verdade se parece esvair como a água por entre os dedos da mão. E a angústia persiste...



2 comentários:

  1. Gregos, romanos e judeus dão uma boa história. Quando iniciei minha pesquisa diletante acerca da origem do cristianismo, eu já tinha uma ideia formada que pode parecer esdrúxula: nada de Bíblia, teologia e história das religiões. Todos os que haviam explorado esse caminho haviam chegado à conclusão alguma. Contidos num cercadinho intelectual, no máximo, sabiam que o que se pensava saber não era verdade. É isso o que a nossa cultura espera de nós, pois não gosta de indiscrições. Como o mundo não havia parado para que o Novo Testamento fosse escrito, o que esse mesmo mundo poderia me contar a respeito dessa curiosidade histórica? Afinal, o que acontecia nos quatro primeiros séculos no mundo greco-romano, entre gregos, romanos e judeus? Ao comentar o livro “Jesus existiu ou não?”, de Bart D. Ehrman, exponho algumas das conclusões as quais cheguei e as quais o meio acadêmico de forma protecionista insiste ignorar.

    http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/paguei-pra-ver

    ResponderEliminar
  2. Como sabe foram os gregos que mais bem, mais profundo e belamente racionalizaram sobre a verdade. E se Platão buscou o valor absoluto através das formas que o levou à Ideia que o conduziu ao Belo que depois chamou a Verdade, também houvera quem tenha dito que "tudo flui", que os "sentidos iludem" e que se havia uma "Verdade" haveria uma "Não-Verdade" segundo a teoria dos opostos.
    Portanto os tais gregos ilustres de outrora já haviam descoberto, como quase tudo o resto, que não havia uma "Verdade" mas uma verdade para dada pessoa; Protágoras foi o mais categórico acerca desta posição.
    A verdade Romana reduzida a um valor jurídico, embora mais precisa par julgar moralmente, sob a simplicidade do que está na Lei, não deixa de ter uma ambiguidade tão ampla como a proposta pelo sofista pois está sempre, irremediavelmente, ao sabor da interpretação e espírito da Lei.
    A judaica, claro, não tendo fundamento racional não tem comentário, é uma fezada e portanto do âmbito do não-pensamento; a crença.

    ResponderEliminar