terça-feira, 6 de junho de 2017

Um Programa para Almeida

Para inverter o longo processo de despovoamento em curso, os novos autarcas dos territórios do Interior Beirão - e em particular os de Almeida – necessitarão urgentemente de adotar um programa de emergência. Não poderão ficar de braços cruzados à espera que o problema da desertificação dos territórios se resolva espontaneamente, e - como está demonstrado pelo falhanço duns e de outros - não podem contar, apenas, nem com o dinheiro da Europa nem com as boas intenções do poder central para o resolver. A situação é grave, e agrava-se de ano para ano. Perdeu-se a Caixa Geral de Depósitos, podem perder-se repartições públicas, pode perder-se, a breve prazo, uma das escolas. Além disso, o comércio tradicional definha, os campos estão abandonados e os poucos jovens que ainda restam, aspiram emigrar.

Na conceção de um tal programa de emergência, haverá, antes de mais, que definir prioridades. E não precisamos de refletir muito para concluir que a primeira prioridade terão de ser as pessoas. Não apenas as do presente, mas também as do passado e as do futuro. As do passado porque são elas as nossas raízes: deixaram-nos a cultura, as crenças, os valores, o idioma e os saberes; as do futuro porque é para elas que trabalhamos, e porque são elas a esperança da continuidade da ocupação ativa dos territórios. Em síntese, um programa para Almeida tem de honrar os antepassados, cuidar e servir os seus residentes e criar condições para os mais jovens ali se fixarem e trabalharem.

A segunda prioridade deverá ser a preservação e valorização do património: não só o património edificado - as casas, as igrejas, os monumentos, as estradas, as infraestruturas, mas também do património natural, paisagístico e cultural que é importante preservar e respeitar. A terceira prioridade é voltar a cuidar da terra que durante séculos ocupou as populações e foi a fonte do seu sustento.

Depois de definidas as prioridades haverá que construir um programa de ação do qual constem os princípios orientadores, os objetivos e os meios necessários para os alcançar. Nos princípios devem constar os valores a respeitar - entre outros, a liberdade, a democracia, a sustentabilidade. Os objetivos, por sua vez, têm de ser definidos em função daquilo que realmente se pretende para o concelho, tendo em conta a especificidade do território e das suas componentes. Almeida, Vilar Formoso e as Aldeias do concelho constituem realidades singulares, com aspirações e vocações que têm de ser encaradas de forma distinta, sempre em cooperação e nunca em concorrência. Almeida pode encontrar na sua vocação cultural, termalista e turística o seu caminho de desenvolvimento, enquanto Vilar Formoso tem de apostar tudo na fronteira e no comércio. As Aldeias poderão desenvolver valências diferenciadas, na agricultura, na economia social, no artesanato...

Um tal programa deverá ser desenhado e executado por gente movida nos seus propósitos por convicções, e não por conveniências, com um profundo conhecimento da situação do concelho. Preferencialmente, como já referimos atrás, deverá ser pensado sem os condicionalismos dos interesses partidários e dos programas de apoio europeus, os quais já demonstraram não terem sido capazes de contrariar a desertificação da região. Não pode ir a reboque de planos organizados por estruturas supraconcelhias, por serem lentos e, muitas vezes, desfocados de cada realidade particular. Um concelho de matriz rural, territorialmente marginalizado - caso de Almeida -, não tem nada a ver com outros concelhos urbanos do interior como é o caso de Guarda, ou mesmo Seia ou Gouveia. Nem pode ficar à espera das diretivas do poder central - mau grado recentes iniciativas, como a criação de uma unidade de missão para o interior - que têm mostrado grande desorientação e grande insensibilidade para encontrar soluções.

Vivemos um momento crítico. Temos pela frente uma oportunidade de mudar. Há que aproveitá-la, mobilizar forças - todas as forças do concelho -, ultrapassar divergências. Numa situação de crise tão grave não faz sentido que os interesses e objetivos partidários se sobreponham aos interesses do concelho. Perante situação tão grave, com o arrastar da crise e a inoperância das medidas tomadas, muita gente começa a duvidar da capacidade de se dar a volta ao problema. Recomendaríamos a vereação que sair das novas eleições a aceitar este repto. Com determinação e humildade, começando por ouvir as pessoas. Porque o principal objetivo deste programa são as pessoas, nele tem de ser reservado um papel muito importante para a Educação.


sexta-feira, 2 de junho de 2017

O Rumo da Europa

Na minha opinião, as declarações da Sra Merkel na Baviera - proferidas no rescaldo da cimeira do G7, em Taormina- podem ser o sinal de uma mudança de rumo para a Europa. No essencial, a Sra. Merkel sentenciou que "os europeus têm de cuidar de si próprios e resolver os seus problemas, e que a Europa tem de continuar a manter boas relações com  os Estados Unidos e com ao Reino Unido, mas também com outros países, incluindo  - na medida do possível - a Rússia". Com o previsível falhanço da parceria económica transatlântica que seria o TTIP, com os Estados Unidos a quererem passar para os europeus uma fatura maior das despesas da Nato, com o lavar de mãos americano sobre a crise dos refugiados - como quem diz o problema é vosso resolvam-no - , com o brexit que deixa fora da União o seu principal elo com a América, a Europa precisa de ter uma agenda política própria. E tem de ser a Alemanha  a defini-la, e a França a apoiá-la.

A Europa enfrenta três graves problemas: o problema da defesa, o problema energético e o problema dos refugiados.  A Nato deixou de se justificar após a queda do muro de Berlim. Mantê-la corresponde a considerar a Rússia como o inimigo principal do Ocidente. Algo que não tem razão de ser, considerando que a Rússia está, hoje, remetida a uma posição defensiva e não tem qualquer ambição de expansão de território - que não precisa - ou de ideologias - que não tem.  Casos como o da Crimeia têm de ser analisados numa perspectiva histórica. É certo que persistem ainda os traumas dos países do Leste da Europa que temem o regresso de uma hegemonia russa. Algo que hoje já não faz sentido e que o tempo acabará por sanar. No atual estado de coisas, a estrutura militar da Nato só pode justificar-se para manter o estado de Israel e permitir assegurar para o Ocidente, a prazo, o domínio  das reservas de combustíveis fósseis do Médio Oriente, nomeadamente da Arábia Saudita, do Iraque e dos Emiratos Árabes Unidos. Mas essa, tem sido, para a América, outra guerra feita à sua própria custa, com um esforço adicional que se vem somar aos custos da Aliança.

Em termos energéticos, a Europa é extremamente dependente do exterior. Praticamente já não produz carvão, as únicas jazidas de petróleo - cuja produção está em declínio - são as do mar do Norte divididas entre a Noruega, que não faz parte da UE, e o Reino Unido. Por outro lado, a escassa produção europeia de gás natural já está em declínio, e a Europa tem de recorrer cada vez mais ao abastecimento da Rússia e do Norte de África. A expectativa de recorrer às grandes reservas de gás natural do Golfo Pérsico - sobretudo às do Qatar - esta a desvanecer-se perante o arrastar do conflito da Síria, país que terá sempre de ser atravessado pelos gasodutos necessários ao seu transporte. A entrada da Rússia no conflito - justificada em parte para defender a sua posição no negócio do gás e proteger as reservas do Irão - apenas vai servir para tornar mais longínqua essa possibilidade.

O problema dos refugiados  é, talvez, o problema mais grave que a Europa enfrenta, e para o qual não se vê solução.  Falo dos milhares de homens, mulheres e crianças, famélicos, sem terra, sem pão, e sem outros haveres para lá da escassa roupa que lhes cobre o corpo que veem na Europa o eldorado. Vêm da Líbia, da Tunísia, da Etiópia, da Eritreia, da Somália e da Síria, atravessando desertos, cruzando fronteiras. Entregaram o pouco que tinham a passadores e engajadores que lhes prometeram o paraíso do outro lado do mar! Nada os detém, e nada os irá deter no futuro: não temem o mar, nem as autoridades, nem as grades de qualquer prisão. A  esperança de chegar à outra margem sobrepõe-se a tudo, e desvaloriza os riscos de sucumbirem na caminhada, de naufragarem no mar revolto ou de serem devolvidos à procedência. A Europa hesita na resposta a dar. As opiniões dividem-se, não existe uma politica comum coerente. A saída do Reino Unido da União tem a ver com isto. Os Estados Unidos não vão ajudar. Tal como disse a Sra Merkel, a Europa tem de passar a contar apenas com ela própria.

A chegada do Sr. Trump ao poder teve o mérito de ajudar a clarificar as dissonâncias entre os dois lados do Atlântico. Para muitos europeus, terá chegado o momento de estender a mão à Rússia. É certo que existem muitos anticorpos, mas são mais as coisas que nos unem do que as que nos separam: a história comum, a cultura, a matriz religiosa. A Rússia tem os recursos que faltam à Europa. E é um mercado com grande potencial para os seus produtos. Se este for o caminho escolhido, ele fica facilitado pelo brexit e pelo insólito discurso autista de Trump.

Mas um entendimento entre a Europa e a Rússia não será pacifico pois fará deslocar centro de gravidade do poder do Atlântico para a Eurásia. Será um novo grande cisma do Ocidente, ao qual a China não ficará indiferente. A Nato ficará obsoleta! Haverá equilíbrios que se rompem e  ninguém poderá prever o que poderá sair da caixa de Pandora.